quarta-feira, 24 de junho de 2009

Avesso


Estico a linha


Nó na alma


Caio em buracos


Acordo em templos


Faço mágicas


Vendo sonhos


Rasgo-me


Depois remendo


Assim vou levando a vida


Não reclamo dos tropeços


Vou costurando meus retalhos


Alegres, tristes, grandes ou pequenos


Sonhos, amores,ideais


Amassados, roidos, esquecidos


Todos eles têm suas cores


Qualidades e defeitos


O que importa


É viver intensamente


Mesmo que boneca de pano


Remendanda, costurada, até bizarra


Esse é o meu avesso


Acreditem... tem encanto.




Da amiga:Maria Lúcia de Almeida,


poetisa, meiga e doce, a quem aprendi a admirar na Discutindo Literatura.

Um comentário:

  1. Maria Lucia de Almeida25 de junho de 2009 16:17

    Elô!!! Estou emocionada!
    Muito obrigada, meu anjo!
    A admiração é mais do que recíproca, adoro você! Mulher inteligente, poetisa sensível e grande amiga!
    Meu mais carinhoso beijo,
    da Maria Lúcia

    ResponderExcluir